Wednesday, June 21, 2006

blog do garoto-lhama

blog do garoto-lhama

Sou um extra

Lembra daquele dia em que você conheceu aquela garota linda na
rodoviaria, ela segurava a mochila com uma expressao infantil - e
divertida - de discreta irritação... você sentou do seu lado,
perguntou alguma coisa e ela sorriu de volta.. lembra? entao.. eu era
o cara carregado de malas que aparecia ao fundo, perto da banca de
revistas.

Essa é minha função. Eu sou um extra na vida. Faço parte do cenario,
componho a cena.

No meio do todas as pessoas, em volta... quando alguma coisa acontece
eu estou por perto - mas nao faço parte.
Ando de lá pra cá, ocupo espaços vazios, sumo e volto como se nao
tivesse realmente um motivo ou uma diração na qual seguir - e nao
tenho mesmo. Você nao me percebe, mas sentiria minha falta, eu acho.

Eu nao olho para você - extras nao podem olhar diretamente para a
cena chave - eu nao existo de verdade, quando a cena termina, eu
simplesmente sumo. Nao vou pra lugar algum, nao encontro com ninguem,
nao realizo coisas, nao tenho ideias, sonhos ou objetivos, momentos
alegres ou mesmo tristes. Sou decoração, mis-en-scene.

Certas criaturas, nao sei explicar, não serão protagonistas.

Monday, June 05, 2006

Cara, como eu os odeio

blog do garoto-lhama

Cara.. como eu os odeio..
Malditos dias moderninhos em que a depressão virou doença e depois virou moda - antes era apenas frescura - agora ter ataques afeminados de tristeza mal explicada é algo para se comentar em rodas de amigos ouvindo mixagens de musica dos anos 80.

você se sente triste, sem motivo, apenas porque é de sua natureza, mas ao mesmo tempo terrivelmente constrangido com medo de ser confundido com uma vitima da moda, meio como ter tuberculose no século XIX (ou IXX.. eu nunca sei) e ser confundido com algum maldito poeta romantico... "não gente.. eu sou mesmo um enfermo, nunca escrevi nada, nem pretendo, na verdade eu gostaria muito de me curar..."

Esses dias moderninhos nao me pertencem, nao uso listras nas blusas, nao uso tenis all star vermelho com cara de usado (já de fabrica), nao sei a diferença entre um psi e um trance (que merda sera isso?)

Pertenço à geração mais bobalhona do seculo passado, que acreditava mesmo nesse papo tolo de individualidade, nao fazer parte de tribus, "seja você mesmo (alguem lembra dos comerciais de Free?), mas com alguma coisa em comum".

Individualidade é uma bobagem, fazer parte de tribus deve ser divertido, você nunca vai conseguir ser "você mesmo" por mais de 15 minutos.

As vezes acho que o motivo da minha geraçao odiar tanto os dias atuais, é que queriamos ter nascido 10 anos antes ou 10 anos depois. fazer o que.. sobramos.

A historia do Andes

blog do garoto-lhama

Um evento que aconteceu quando errei o endereço de uma festa. No dia seguinte mandei este mail pra explicar. Bem, a historia pareceu engraçada na época. Segue o mail na integra e sem correçoes, para manter o anonimato dos envolvidos.

A HISTORIA DO ANDRES
---------------------------------------
baseada em fatos veridicos
----------------------------------------


O jovem Andes (nao vamos usar nomes reais, nem acentos nem cedilha
neste relato, para assegurar a privacidade das pessoas envolvidas),
estava trabalhando sem parar a 48h, quando recebeu uma mensagem
convidand-o para ir na festinha dos seus amigos Buno e Queixiro.
Chegando no centro, dirigiu-se ao apartamento do Buno, ligou para o
telefone de sua amiga Marrina para avisar que se encontrava na porta e
queria saber o no do apartamento.

"- 305, sobe ai. 'e no bloco A"

Andes passou pelo porteiro sonolento e pegou o elevador junto com uma
teenager (que nao lhe deu bola). Confuso com o fato do predio ter duas
entradas (praticamente um labirinto) questionou sua companheira de
viagema respeito de qual seria o "bloco A" - ela achou que se tratava
de uma cantada 'e nao lhe respondeu (ela deve estar acostumada a
cantadas muito alternativas para entender "este 'e o bloco A?" como "e
ai? rola aqui mesmo no elevador?")

enfim, Andes chegou ao andar, se perdeu por mais um tempinho, e
finalmente, seguindo as vozes encontrou o ap 305. tocou a campainha, e
foi recebido por um gordo sem camisa bebendo uma latinha de cerva e
falando no celular. dito gordo apenas abriu a porta e voltou pra
dentro.

Andes, timidamente, entrou no apartamento, onde encontrou outras 4
pessoas bebendo e falando alto, e por instantes achou estar no local
certo... mas... onde estavam seus amiguinhos Buno, Queixiro e Marrina?
onde estava a comida e a vodka? so tinha esses estudantes de
engenharia bebendo bavaria... Andes se sentiu enganado... e perguntou
num sussurro envergonhado "e ai, cade o Buno?"

o que seguiu foi um silencio elido... Andes caiu na real... tinha
errado de bloco... (nao se lembra como saiu do apartamento, mas foi
rapido)
desceu correndo o elevador, tentando achar a entrada para o bloco
certo - alias, so tem um bloco - correndo feito uma barata aturdida
pela garagem... foi quando seu celular tocou.. era Marrina para
esclarecer a historia - rissos e deboche do outro lado da linha.

Andes retira-se triste e humillado - mas jurando vinga'ca - de volta
ao trabalho.

e era isso.

Monday, May 29, 2006

Pelo livre comercio do cianeto

Na segunda guerra mundial, os alemães surgiram com pequenas cápsulas de vidro contendo cianeto. Eram muito úteis: se você fosse um espião, nao ia querer ser capturado e torturado, entao a coisa mais espera a fazer era engolir aquela capsula de vidro que levava escondida embaixo da lingua. era rápido e indolor (ou pelomenos, ninguem se queixou). Quando a guerra chegou ao final, a cápsula teve seus dias de gloria... Se você fosse um general SS com culpa no cartório, era so morder a pequena ampola antes do exército vermelho chegar: Hitler, Eva Braun, Himmler, Goering, até os seis filhos pequenos de Goebbles.

Nos primordios da corrida espacial, quando se enviavam homens para o espaço confiando em computadores do tamanho de casas, a pequena cápsula fazia parte da tripulaçao. Afinal, se você fosse um cosmonauta, preso numa nave do tamanho de um fusca e sem ter como voltar, era uma otima idéia economizar sofrimento com uma morte rápida.

Bem, agora imagine, você esta numa festa, conhece uma garota legal, entende errado todos os sinais, nao percebe que ela esta apenas sendo educada e simpatica, e entao, quando você tenta beija-la, ela se esquiva...
Um fora constragedor? O que poderia ser melhor do que ter uma cápsula de cianeto embaixo da lingua numa hora dessas?

Ontem meu carro morreu no sinal, tomei buzina e ele morreu denovo.. os crueis motoristas que acham que nasceram dirigindo ultrapassaram xingando e buzinando - logico, o carro morreu denovo, e denovo... ha se eu tivesse minha pílula de cianeto: barbeiragem, uma buzinada, rapido, morda a pilula!

hoje as 19:30h, quando estava quase saindo da agencia, a cordenaçao me chama e avisa que o dono vai visitar um cliente amanha cedo e que terei que ficar mais umas duas horas trabalhando... pronto, dei risada e engoli minha pílula...

Seria o melhor dos mundos se pudessemos dar um fim brusco, inesperado e liertario para todas essas pequenas vergonhas ou dramas do dia a dia. É por isso, meus caros amigos, que eu insisto para que cápsulas de cianeto sejam vendidas nas farmacias, até mesmo distribuidas pelo SUS.